6 previsões de videoconferência para 2020

No ano passado, a IA se tornou uma tecnologia comprovada no setor de videoconferência. Chatbots, assistentes dinâmicos e segurança cibernética foram todas as áreas em que a IA melhorou a experiência da reunião, ajudando os trabalhadores a se tornarem não apenas mais produtivos, mas cada vez mais seguros e direcionados em seus resultados. A IA continuará a evoluir e melhorar neste espaço – a IA é um dado, não uma previsão. As previsões de janeiro devem estimular a imaginação da indústria e não apenas provocar as datas de lançamento dos itens do roteiro já em produção. Com isso em mente, aqui estão as seis previsões que espero ver em tecnologia nos próximos 12 meses.

Quatro câmeras de videoconferência Lifesize na parte superior da tela, seguidas por um texto grande que diz Previsões para 2020

1. O vídeo se espalha muito além da conferência de trabalho

Ao longo de 2020, veremos o uso do vídeo se estender muito além da tradicional conferência no local de trabalho em vários campos, como telemedicina, arquitetura e governo. A telemedicina é a evolução natural da saúde na era digital, e veremos o vídeo em nuvem de nível empresarial desempenhar um papel crítico na melhoria de sua acessibilidade. Para o campo da arquitetura, a riqueza e a qualidade do vídeo agora permitem a colaboração frequente e o compartilhamento de projetos entre os profissionais e os clientes que atendem. Quanto ao setor público, os recursos de vídeo nos aproximam um passo (ou talvez apenas uma polegada) de fazer fila remotamente para o DMV.

2. A confiança de nossa força de trabalho distribuída em vídeo aumentará rapidamente

A tão discutida escassez de habilidades está deixando as empresas sem escolha a não ser olhar além da sede corporativa ou mesmo de seus quintais locais em busca de talentos. Ao abrir funções mais remotas ou mesmo equipes totalmente distribuídas, as empresas têm acesso a um pool de talentos muito mais amplo. Há também incentivos financeiros ao trabalho remoto: em 2018, estimava-se que US$ 5 bilhões em economia de custos para empresas americanas com funcionários que trabalhavam remotamente - e isso é apenas contando trabalhadores de meio período.

À medida que a força de trabalho se torna mais distribuída, o vídeo terá um papel ainda maior em manter as equipes conectadas. Como resultado dos padrões de contratação e do desejo contínuo por níveis de interação pessoal que um telefonema simplesmente não permite, o vídeo será incorporado à estrutura de todas as estratégias de comunicação empresarial ao longo do próximo ano.

3. Os eletrodomésticos passarão por um renascimento

Os eletrodomésticos voltaram a ser legais – não, sério! 

À medida que a sala de conferências tradicional continua a mudar drasticamente (ver: o sala de reunião boom), testemunharemos o pêndulo voltando para os aparelhos de videoconferência independentes. Hardware mais software será a dupla mais poderosa na esfera de videoconferência no próximo ano, e os investimentos no roteiro de fornecedores provarão isso. A bifurcação do mercado entre as abordagens do sistema de sala - aparelhos versus kits de sala - se tornará menos pronunciada, e o modelo de aparelho terá ganhos novamente graças à maior facilidade de uso, bem como aos menores custos de instalação e propriedade. 

4. WebRTC reinará supremo 

O WebRTC (comunicações em tempo real na Web) permite que os funcionários se conectem por áudio e vídeo sem precisar baixar software ou plug-ins. No entanto, dependendo do navegador, executar uma versão completa de um aplicativo WebRTC não foi a experiência mais tranquila até 2019. 

Felizmente, com notícias do Microsoft Edge sendo reconstruído para rodar no Chromium em 2020, as implementações do WebRTC serão significativamente mais contínuas e consistentes, e muitos outros aplicativos WebRTC começarão a ser executados nativamente em navegadores, seja Chrome, Firefox, Safari ou Edge. Como resultado, os CTOs e CIOs não precisarão investir tanto tempo e recursos no gerenciamento de processos de desenvolvimento e implantação.

5. Flexibilidade e Mobilidade no Local de Trabalho de Combustíveis 5G 

Em 2020, veremos o 5G, a quinta geração de redes celulares, proliferar e revolucionar as conexões móveis de alta velocidade. Como resultado, os funcionários se sentirão mais capacitados para trabalhar a partir de seus dispositivos móveis, e veremos a tão badalada experiência de trabalho móvel se misturando efetivamente com a experiência móvel do consumidor.

À medida que a demanda por flexibilidade no local de trabalho e decisões de BYOD continuam a disparar, impulsionadas pelos millennials e pela Geração Z, 5G desempenhará um papel fundamental em que os funcionários abandonam laptops desajeitados e dispositivos volumosos em favor de seus telefones para trabalhar em trânsito. A capacidade de se comunicar e colaborar entre locais e fusos horários sem estar acorrentado a uma mesa ou laptop inevitavelmente levará a uma maior mobilidade no local de trabalho e (ouso dizer) prazer.

6. Talentos e empresas de tecnologia vão (gradualmente) se afastar do Vale do Silício

Embora San Jose e San Francisco ainda estejam entre as áreas metropolitanas com mais vagas de emprego em tecnologia, uma mudança está ocorrendo diante de nossos olhos – e 2020 será o ano em que mais trabalhadores e empresas se mudarão da Bay Area. Maiores oportunidades econômicas, custo de vida mais baixo e modelos de trabalho remotos e flexíveis crescentes atrairão talentos e empresas para cidades nos Estados Unidos e abrirão caminho para um novo hub de tecnologia – ou talvez vários hubs.