Como manter uma força de trabalho global engajada

Gayle Wiley, Diretora Executiva de Pessoal, Lifesize
Terça-feira, 27 de fevereiro, 2018

Bom dia, pessoal. Bem-vindos de volta ao Lifesize Ao Vivo!, o show ao vivo pela web produzido inteiramente por meio da plataforma Lifesize.

Eu sou seu apresentador, James Ofczarzak, e hoje a nossa convidada, Gayle Wiley, Diretora executiva de pessoal aqui na Lifesize, vai falar sobre como engajar uma força de trabalho global. Obrigado por se juntar a nós, Gayle.

Obrigada, James. É um prazer estar aqui. Obrigada por me receber para falar sobre um dos meus assuntos favoritos.

Sem dúvida. Bem, estamos felizes em recebê-la. Vamos começar definindo alguns termos primeiro. Engajamento de funcionários — do que é que estamos falando quando falamos sobre engajamento de funcionários?

Quando eu penso em engajamento de funcionários, penso sobre o comprometimento emocional que você tem com um trabalho, com a organização e com seus objetivos. E, se você está emocionalmente comprometido, seu trabalho tem um significado mais profundo para você; torna-se mais do que só um trabalho. Esse significado mais profundo vem da sua relação com seus colegas e de estar em um papel que aproveita suas forças, e o que você descobre é que, quando as pessoas estão totalmente engajadas, elas têm um incrível esforço voluntário. Elas vão além de suas obrigações para garantir que a tarefa seja cumprida. Você chega às 7 da manhã, tem um dia cheio, está arrumando suas coisas para ir para casa, quando um colega ou cliente liga e pede algo, e você passa mais duas horas na sua mesa sem ninguém pedir. Essas são coisas que me ocorrem quando penso em engajamento.

Claro, certamente. Então ,o engajamento do cliente — por que isso é importante para as empresas hoje em dia?

Bem, é importante porque pessoas engajadas são motivadas e podem fazer um trabalho extraordinário. Quando você analisa todas as métricas de receita, rentabilidade, qualidade e retenção de cliente, se o engajamento do funcionário é alto, todas as métricas são altas também. Gallup e Mackenzie fizeram diversos estudos e trabalhos sobre o tema do engajamento. Gallup entrevistou milhares de empresas, e elas usaram a analogia comparando os resultados da pesquisa aos praticantes de remo. Eles disseram que, em qualquer época na empresa, há três grupos de pessoas: 30% mais ou menos caem no grupo chamado de remadores. Você imagina que eles estão com os remos na água, sabem onde fica a Estrela do Norte, sabem que seu papel individual é fazer as coisas acontecerem, e todos estão indo na mesma direção. 52% são passageiros — estão com os remos na água, têm algum conhecimento de onde fica a Estrela do Norte, mas não têm muita certeza de qual é o seu papel. Então eles estão ocupados, mas são apenas passageiros. E aí sobram os 18% com os remos na água e que estão indo na direção oposta à que você quer que eles remem. No mundo ideal, o objetivo final é garantir que todos se tornem remadores. Funcionários felizes e clientes felizes significam retenção de clientes subindo. E isso também ajuda na sua habilidade de atrair e reter pessoas boas.

Claro, certamente. Esses números são muito, muito chocantes. Quando você pensa no cenário global e outras empresas por aí, quais empresas estão fazendo isso bem?

Eu penso no Google. Outra empresa que me ocorre é a Zappos. Penso no livro Satisfação Garantida, de Tony Hsieh. A Zappos realmente passou muito tempo construindo uma cultura forte e colocando esses valores em prática, que são a estrutura e a âncora da cultura da empresa. Quando eles recrutam pessoas, buscam aquelas que não apenas estão alinhadas à cultura mas também pessoas que trabalham bem em conjunto, têm as habilidades e podem trabalhar juntas. Então isso cria uma espécie de perfil certo para aplicar isso às suas empresas? corporações — um ambiente mágico.

Então, para aqueles que estão assistindo em casa ou no escritório, quais deveriam ser alguns dos passos para aplicar isso às suas empresas?

Acho que, da perspectiva da empresa, há algumas coisas que precisam acontecer antes. A primeira coisa é criar uma cultura forte e positiva e ter valores, porque isso cria a personalidade da organização. Começa aí. A segunda coisa é ter uma liderança forte e uma administração forte. Se você quer engajar as pessoas, na verdade isso começa não apenas em ganhar suas mentes, mas também seus corações. E, da perspectiva de um líder, isso quer dizer duas coisas: confiança e compaixão. Os funcionários precisam confiar em você, o que significa que você faz o que diz o que vai fazer. Certificar-se de que os funcionários têm tudo de que precisam para obter sucesso em termos de informação tamb´ém é importante, e garantir que estão interagindo com as pessoas certas na organização é essencial. Compaixão é fundamental — é importar-se com seu pessoal e conhecê-los em nível pessoal e saber o que é importante para eles. Quando penso em compaixão e engajamento, considero uma coisa muito pessoal. O que pode ser engajador para mim pode não ser para você. Talvez algo importante para você seja uma tecnologia legal, mas para mim pode ser mais autonomia ou horas flexíveis. Mas é importante que você pergunte, encontre a resposta e aí tente fornecer isso. "Obrigado" também é importante, e quando eu digo "obrigado", me refiro a reconhecimento. Você sabe quando as coisas são bem feitas; as pessoas se parabenizam no corredor, virtualmente, até se mandam notas por escrito. Eu me lembro que, muitos empregos atrás, meu chefe me escreveu uma carta no fim do ano mencionando todas as coisas que eu tinha feito que ele achava que adicionavam valor, e ainda tenho essa carta comigo até hoje.

Sim, isso faz muita diferença.

E, por último, comunicação. A maioria dos ambientes não é diferente do nosso; são muito fluidos, muitas coisas acontecendo rapidamente e coisas mudando o tempo todo, então é importante manter-se conectado. Há mecanismos formais com reuniões gerais e individuais, mas manter-se sincronizado e garantir que todo mundo tem as informações em tempo real sobre o que está acontecendo é essencial. Todas essas coisas compõem esse ambiente e realmente facilitam e ajudam com o engajamento.

E eu sei que a plataforma Lifesize realmente ajuda muito com isso com nossos funcionários em todo o mundo. Sei que com apenas um clique é fácil entrar em contato.

Certamente e, se não estão ao vivo, você pode gravar e eles verão depois.

É. Então, é óbvio que você é apaixonada por este assunto, e eu adoraria trazer para um nível mais pessoal. O que isso significa para você e o seu papel aqui na Lifesize?

Bem, como sabe, sou profissional de RH de carreira e sou apaixonada por esse assunto, mas é minha missão pessoal que para cada Lifesizer a experiência da Lifesize de trabalhar aqui seja a mais significativa. E, quando as pessoas se lembrarem do trabalho aqui, quero que olhem para trás e digam "Essa foi a experiência mais significativa da minha carreira. Essa foi a melhor experiência." Então, para mim, todo dia que chego aqui, fico focada no que posso fazer para garantir que todo mundo esteja em uma função que aproveite suas forças, que se sintam desafiados, que estejam num ambiente e numa cultura forte para fazerem seu melhor trabalho e que tenham a oportunidade de aprender e crescer. Para mim, é ficar focada nisso todos os dias, isso eleva meu engajamento pessoal ao máximo.

Certo, claro. Bem, somos muito gratos por tudo que você fez e faz aqui na Lifesize, e muito obrigado por passar esse tempo conosco esta manhã. E, para todos em casa, espero que vocês estejam conosco na quinta-feira para nos encontrarmos com Ken Conn da i2i Technologies. Ele vai falar conosco sobre inovação no espaço de aprendizagem a distância. Muito obrigado, e tenham um ótimo dia.

Tchau, pessoal.